quinta-feira, 24 de junho de 2010

Estréia: Rookie Blue

McNallys' Anatomy

Não me surpreendi em nenhum momento sequer durante a estreia de Rookie Blue na ABC. Não vou me surpreender nos próximos episódios também, porque não pretendo continuar seguindo a série. E não me entenda mal, ela não é ruim. É muito bem produzida, os diálogos seguem perfeitamente o manual e todos os elementos narrativos que você espera de uma série policial ou dramática estão lá. Então, se é isso que você está procurando, Rookie Blue entrega satisfatoriamente.

A história segue cinco policiais novatos genéricos em seus primeiros dias de trabalho em uma delegacia genérica de uma cidade genérica. O elenco parece ter descido direto das passarelas da São Paulo Fashion Week para o set de gravação. Todos, sem exceção, são bonitos, especialmente a protagonista Missy Peregrym. Vale deixar claro que não são atores ruins, ainda que nenhum tenha demonstrado também qualquer capacidade dramática mais elevada (não que o roteiro tenha exigido muito). O problema é que o realismo não apareceu para trabalhar. Nem por um segundo, a delegacia se parece com uma delegacia.

Quanto ao roteiro, imagine uma cena inicial em que você apresenta os personagens de forma que pareça que você já está seguindo a história. Um deles chega muito antes dos outros e já vai se apresentando empolgado para o serviço para um policial mais antigo e cínico que desdenha da energia do novato; outro chega de bicicleta, provavelmente um vegetariano liberal que luta por direitos humanos, outra se esconde no carro quando um deles passa porque estava beijando um veterano, e a nossa protagonista chega atrasada, toda estabanada no final. Pronto, você praticamente já sabe tudo que precisava sobre os personagens, nada vai mudar nos próximos quarenta minutos.

A maioria dos dramas é telegrafado. Quando a mocinha corre atrás de um suposto bandido e parece que ela está mandando muito bem, você sabe que aquilo vai acabar errado. Quando você descobre que o bandido era um policial disfarçado, você sabe que ele vai virar o interesse romântico dela logo, logo. Quando você descobre algum dado sobre a vítima, você sabe que o caso está relacionado a ela e não ao bandido, etc.

Porém, o mais irritante mesmo é ver a versão policial de McDreamy e McSteamy de Grey's Anatomy. Os dois são policiais veteranos, sendo que um é bonito, bonzinho, sensível e apóia a heroína. O outro é um bad boy, tem atitude e vive às turras com ela. Quem será que vai ficar com McNally? Quem se importa?

Rookie Blue é bem produzida, mas é completamente desnecessária e não tem nada que a diferencie de outras séries. A única boa notícia é que fãs de Grey's Anatomy passam a ter mais uma opção agora: quando ficarem cansados do ambiente hospitalar, podem conferir o que está acontecendo com as mesmas personagens quando elas estão trabalhando na delegacia. Assim como The Deep End, o Grey's Anatomy dos tribunais que mal sobreviveu a uma midseason, é difícil acreditar que essa vá muito longe também.

Nenhum comentário: